quarta-feira, 25 de abril de 2012

Ser mulher


Ser mulher é viver mil vezes em apenas uma vida, é lutar por causas perdidas e sair sempre vencedora; é estar antes de ontem e depois de amanhã, é desconhecer a palavra recompensa para seus atos.

Ser mulher é caminhar na dúvida cheia de certezas; é correr atrás das nuvens num dia de sol e alcançar o sol num dia de chuva.

Ser mulher é chorar de alegria e muitas vezes sorrir com tristeza; é cancelar sonhos em prol de terceiros, é acreditar quando ninguém mais acredita; é esperar quando ninguém mais espera.

Ser mulher é identificar um sorriso triste e uma lágrima falsa; é ser enganada e sempre dar mais uma chance; é cair no fundo do poço e emergir sem ajuda.

Ser mulher é estar em mil lugares de uma só vez; é fazer mil papéis ao mesmo tempo; é ser forte e fingir que é frágil para ter um carinho.

Ser mulher é comprar, emprestar, alugar, vender sentimentos, mas jamais dever; é construir castelos de areia, vê-los desmoronando pelas águas e ainda assim amá-las.

Ser mulher é estender a mão a quem ainda não pediu; é doar o que ainda não foi solicitado.

Ser mulher é não ter vergonha de chorar por amor; é saber a hora certa do fim, é esperar sempre por um recomeço.

Ser mulher é ser mãe dos seus filhos e dos filhos dos outros e amá-los igualmente; é ser nova quando o coração está a espera do amor, ser crescente quando o coração está se enchendo de amor, ser cheia quando ele já está transbordando de tanto amor e minguante quando este amor vai embora.

Ser mulher é hospedar dentro de si o sentimento de perdão; é voltar no tempo todos os dias e viver, por poucos instantes, coisas que nunca ficaram esquecidas.

Ser mulher é cicatrizar feridas de outros e inúmeras vezes deixar as suas próprias feridas sangrando.

Ser mulher é saber ser super-homem quando o sol nasce e virar Cindera quando a noite chega.

Ser mulher é, acima de tudo, um estado de espírito; é uma dádiva; é ter dentro de si um tesouro escondido e ainda assim, dividi-lo com o mundo.

Aprendi com a primavera a deixar-me cortar e a voltar sempre inteira."

Cecília Meirelles

4 comentários:

Penyuluh Perikanan disse...

I like this blog, and I follow the number 40
I hope you follow me back to
ask
thank you



http://penyuluhpi.blogspot.com/

✿ chica disse...

Cecília sempre encantando!!E a arte de ser mulher aqui bem trazida!beijos,tudo de bom,chica ( tu viste a mesma imagem no meu e no blog do Fábio. Aquilo é um Projeto que participamos. Não gostas de experimentar isso?É legal!)

Fabio Baptista disse...

Já havia lido esse texto, muito bom. Acredito que represente bem a alma e de certa forma a dualidade apaixonante inerente à condição feminina.

ONG ALERTA disse...

Bela escolha de Cecília, ser mulher é saber ver por dentro de cada um...beijo Lisette.

Postar um comentário

É assim...

É assim...
Tecnologia do Blogger.

ou é assim...

ou é assim...

Follow by Email

About Me

Minha foto
Pedra bruta se deixando lapidar pelo cinzel da vida

Seguidores