sábado, 26 de janeiro de 2013

A Viagem

Seis histórias que, apesar de ocorrerem em épocas e países distintos, possuem uma interligação. No século XIX, Adam Ewing (Jim Sturgees) é um advogado enviado pela família para negociar a comprar de novos escravos. Ao retornar para casa, ele salva um escravo, Autua (David Gyasi), que está fugindo de Henry Goose (Tom Hanks), um médico que o envenenou.

Em 1930, o jovem e talentoso compositor Robert Frobisher (Ben Whishaw) ajuda o também compositor, e já idoso, Vyvyan Ars (Jim Broadbent). Durante o trabalho, Robert encontra uma crônica escrita por Ewing em um jornal em meio aos livros de Ars.

Em 1970, a jornalista Luisa Rey (Halle Berry) conhece Rufus Sixmith (James d'Arcy) quando o elevador em que ambos estão quebra. Tempos depois, ele a procura para revelar que estão encobrindo uma série de falhas no projeto de construção de um reator nuclear.

Nos dias atuais, Timothy Cavendish (Jim Broadbent) é dono de uma pequena editora, que lançou um livro que dificilmente dará retorno financeiro. Entretanto, a situação muda quando o autor do livro mata um de seus críticos, tornando-se uma celebridade instantânea.

Coreia do Sul (agora chamada de Nova Seul), futuro. Sonmi-451 (Donna Bae) é um clone que trabalha em um restaurante fast food. Ela foi programada para realizar todo dia as mesmas tarefas, sem manifestar qualquer reclamação, mas a situação muda quando outro clone acaba, sem querer, despertando-a sobre sua existência.

Futuro. Nova Seul foi tragada pelas águas há 100 anos, o que fez com que o local viva uma realidade pós-apocalíptica. Nesta época vive Zachry (Tom Hanks), o líder de uma tribo que venera Sonmi como se fosse uma deusa. Sua vida muda quando Meronym (Halle Berry), que integra um grupo evoluído chamado Prescients, lhe pede para viver com sua tribo.

.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~

Oiee!!
Sabe aquele filme inusitado, estava na fila tantos quantos outros, ainda estão pra poder assistir, mas enfim surpreendeu do começo ao fim.
Gostei da mescla das histórias porque passado, presente e futuro se interligam de alguma maneira, e quando no meio do filme você, quero dizer eu me liguei no contexto do filme todo, tudo passa a ter sentido, e é como se muitas e muitas vezes estivéssemos de fato a repetir sempre os mesmos erros.
Mas tem algo que transcede esta repetição e faz com que certas situações passem a ter um novo rumo, uma nova direção....tudo fruto das nossas escolhas, deixando bem claro que o acaso de fato não existe.
"As nossas vidas e as nossas escolhas...como trajetórias quânticas...são alteradas momento a momento.
E a cada cruzamento, a cada encontro...sugere uma nova direção potencial"
Fica a dica!!


domingo, 13 de janeiro de 2013

Você é bom em tomar decisões?

Um grupo de crianças brinca próximo a duas vias férreas. 
Uma das vias ainda está em uso e a outra está desativada. 
Apenas uma criança brinca na via desativada, enquanto que as outras, na via em operação. 
O trem está vindo e você está exatamente sobre aquele aparelho que pode mudar o trem de uma linha para outra. 
Você pode fazer o trem mudar seu curso para a pista desativada e salvar a vida da maioria das crianças. Entretanto, isto significa que a solitária criança que brinca na via desativada será sacrificada. 
Você deixaria o trem seguir seu caminho? 
O que você faria? 
Discuta e anote a decisão e porquê? 
.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.
A maioria das pessoas escolherão desviar o trem e sacrificar só uma criança. 
Você pode ter pensado da mesma forma, eu acho. 
Exatamente, salvar a vida da maioria das crianças à custa de uma só criança é a decisão mais racional que a maioria das pessoas tomariam, moralmente e emotivamente. Mas, você pensou que a criança que escolheu brincar na via desativada foi a única que tomou a decisão correta de brincar num lugar seguro? Não obstante, ela tem que ser sacrificada por causa de seus amigos ignorantes que escolheram brincar onde estava o perigo. 
Este tipo de dilema acontece ao nosso redor todos os dias. 
No escritório, na comunidade, na política... 
E especialmente numa sociedade democrática, a minoria freqüentemente é sacrificada pelo interesse da maioria, não importa quão tola ou ignorante a maioria seja e nem a visão de futuro e o conhecimento da minoria. Além do mais, se a via tinha sido desativada, provavelmente não era segura. 
Se você desviou o trem para a outra via, colocou em risco a vida de todos os passageiros. 
E em sua tentativa de salvar algumas crianças sacrificando apenas uma, você pode acabar sacrificando centenas de pessoas. 
Se estamos com nossas vidas cheias de fortes decisões que precisam ser tomadas, nós não podemos esquecer que decisões apressadas nem sempre levam ao lugar certo. 
Lembre-se de que o que é correto nem sempre é popular... e o que é popular nem sempre é correto. E que todo o mundo comete erros; foi por isso que inventaram a borracha e o apagador. 
De tanto ver as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra; de tanto ver crescer a injustiça; de tanto ver agigantarem-se os poderes na mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter a vergonha de ser honesto. 
(Rui Barbosa)

sábado, 12 de janeiro de 2013


O caminho da felicidade não começa nas pessoas e nas coisas para chegar até você, mas começa sempre dentro de você para chegar até aos outros.

domingo, 6 de janeiro de 2013

Perdão


Perdoar a nós mesmos significa não fazer o mesmo erro de novo, não inventar caminhos convenientes para nos desculpar.
Mesmo o perdão e a compaixão de Deus não podem ser sentidos pela pessoa que tenha endurecido seu próprio coração contra os outros.
Se quisermos ser perdoados precisamos estar dispostos a perdoar primeiro. A coragem de agir primeiro é o sinal daquele que é realmente justo.
Quem perdoa primeiro não só prova sua justiça mas especialmente prova seu amor.

Anthony Strano, Discovering Spirituality, Eternety Ink, Australia, 1999
.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~

Que 2013 seja muito bem vindo em nossas vidas!!
Não tem sabor melhor que provar o amor....aquele que todos carregamos dentro de nós.
Perdoar...é compreender, esquecer a ofensa e seguir adiante.
Não quero dizer com isto que seja fácil perdoar, porque sim perdoar... é divino, mas mandar se lascar é sensacional, porque tem pessoas e pessoas.
Assumo, tem uma  certa pessoa ainda que não consegui perdoar....ignoro em toda e qualquer situação, a criatura tem a condição dela e eu a minha, mas estou seguindo adiante, parar no tempo e no espaço é que não vou mesmo!!
Ano novo...reflexão antiga, mas sempre no item das pendências, pois um dia vou ter que resolver isto, não sei quando e nem como...um dia...um dia...

É assim...

É assim...
Tecnologia do Blogger.

ou é assim...

ou é assim...

Follow by Email

About Me

Minha foto
Pedra bruta se deixando lapidar pelo cinzel da vida

Seguidores